Viagem ao mundo ferroviário

Quem olha para a montra de A Gotita, na Rua de Fonseca Cardoso, no Porto, vê logo que esta não é uma simples loja de brinquedos.

Pelo vidro vêem-se comboios – réplicas em diversas escalas e representativas de companhias europeias – alguns dos quais ainda circulam nos caminhos-de-ferro portugueses e outros representam composições históricas.

Aberta desde Outubro 2009, no Porto, A Gotita é uma loja de modelismo que tem tudo do mundo ferroviário. Em Lisboa, existe a loja-mãe há 16 anos. Nas montras de A Gotita estão dezenas de composições como se de uma estação-museu ferroviária se tratasse.

Ali mesmo, nas prateleiras, espreitam peças que retratam as carruagens do histórico Expresso do Oriente. Dentro delas estão pequenas mesas e candeeiros que tornam ainda mais verdadeira esta réplica da faustosa composição.

“A maior parte dos clientes são adultos, mas muitos são pais e trazem consigo os filhos, passando-lhes esta paixão”, diz Sérgio Torres, gerente do espaço do Porto, e também um aficcionado: “Lembro-me que em criança ficava horas entretido a ver passar os comboios”.

“Hoje deixaram de ser simples brinquedos para serem modelos de colecção e muitos com tecnologia de ponta”, salienta Sérgio Torres, enquanto coloca uma locomotiva a vapor nos carris comandados por um pequeno computador.

“Esta máquina”, diz enquanto aponta para os vários botões, “faz de tudo para tornar mais real as maquetas”. Tem botões para tudo. Para o comboio andar, para abrir e fechar portas dos vagões, os sons de partida do comboio, dos travões nos carris e do engate das carruagens. Ainda acende as luzes e solta o pouca-terra enquanto arranca lançando fumo. É impossível não se ficar impressionado com esta imagem realista e com as possibilidades deste modelo.

Dos acessórios que existem para embelezar a maqueta “há em miniatura tudo o que possa imaginar-se”, refere Sérgio Torres. Candeeiros de rua, sinais de trânsito, calçadas, réplicas de árvores, edifícios à escala e ainda bonecos que imitam o nosso quotidiano.

“Isto tem piada porque se constrói aos poucos e sempre que haja tempo livre”, adianta o gerente. Explica Sérgio Torres que “se vende mais o material português porque as pessoas se sentem mais familiarizadas com as locomotivas, já que algumas ainda estão em circulação”.

É o caso das que fazem a tracção de composições portuguesas como a 1320, a 5600 (actualmente são as locomotivas dos Intercidades) ou a 1400, também “muito emblemática no Norte”. “Os alemães são especialistas mundiais deste hóbi, mas as marcas têm preços para todo o tipo de bolsas”, remata Sérgio Torres.

Mais informação: A Gotita, Lda, rua Fonseca Cardoso, 211, Porto/ Tel.:220 933 934 /www.agotita.pt

Jornal de Notícias, 24 de Março de 2010

Fotografias: Susana Ribeiro

“Gourmet” a preços acessíveis

Poder jantar em destacados restaurantes a preços acessíveis é o objectivo do Lisboa Restaurant Week que começa a partir de amanhã e decorre até dia 18. Se mora mais a Norte não desespere, é que a iniciativa chega ao Porto no dia 21 de Outubro.

 

mousse

Foi tão grande a adesão à primeira edição do Lisboa Restaurant Week que esta segunda parte arranca com o dobro dos participantes, ou seja, 40 restaurantes. De forma a garantir o “acesso democrático à restauração”, a iniciativa “oferece a todos o acesso à gastronomia de qualidade sob um preço convidativo”, confirma a organização.

Neste evento, os restaurantes apresentam o menu Lisboa Restaurant Week, em que cada espaço “gourmet” faz uma criação gastronómica própria e personalizada. Geralmente são novidades ou pratos clássicos. O menu inclui uma entrada, um prato principal e uma sobremesa e tem um preço fixo de 20 euros, em que 1 euro reverte a favor de instituições de solidariedade social apoiadas nesta edição: Ajuda de Berço e Janela Aberta.

A ideia do primeiro Restaurant Week surgiu em Nova Iorque, há 16 anos como parceiro da Fashion Week. No início, o objectivo assentava em aumentar o volume de vendas na época baixa e de reduzido fluxo turístico na área da restauração. O evento fez com que o conceito se instalasse em grandes cidades como Boston, Chicago, Londres, Amesterdão, Brasília, São Paulo e Sidney. São mais de 100 cidades participantes e cerca de 10 mil os restaurantes que se envolvem nesta iniciativa de carácter mundial.

sofisticato

O Restaurant Week serve também de “projecto de responsabilidade social que marca, simultaneamente, a oportunidade para democratizar o acesso à qualidade no sector da alta restauração e para sensibilizar a população em geral para os projectos sociais seleccionados”, sublinha a organização. E acrescenta que se trata “de uma forma de dinamização das cidades, por via da promoção da vida social das populações em local e momento mais propício para o efeito: à refeição”. Os restaurantes aderentes e os respectivos menus podem ser consultados pelo site do Lisboa Restaurant Week, onde se encontram nomes como Ad Lib. Bocca, Gemelli, Faz Figura, Conventual, Eleven, Lapa e Olivier, entre muitos outros. Depois de Lisboa, a primeira edição do Porto Restaurant Week começa no dia 21 e decorre até dia 31 de Outubro.

Mais informação em www.lisboa-restaurantweek.com

(publicado a 07 de Outubro de 2009 no Jornal de Notícias)

Fotos: Direitos Reservados

Bem Estar: Sabor a chocolate

chocoterapia
Sugerimos um roteiro doce no Porto, onde pode descobrir os benefícios do cacau para a beleza, a saúde e o bom humor em dias de chuva. De massagens a mensagens, há muitas propostas

Está provado que o cacau tem benefícios na saúde, e a ingestão moderada de chocolate – principalmente o chocolate preto – pode regular a tensão arterial, a diabetes. Estudos revelam ainda que o cacau contém uma substância que nos faz sentir bem e favorece o bom humor. Por todas estas razões, o JN faz algumas doces sugestões, todas cobertas com… chocolate.

No BeWell Spa & Tea, em Vila Nova de Gaia, pode desfrutar de um tratamento com chocolate. O envolvimento de chocolate providencia uma acção hidratante, regenerante e anti-celulítica. O tratamento pretende melhorar a silhueta e o aspecto da “pele casca de laranja”, hidrata, suaviza e dá energia à pele, tendo acção antioxidante por via cutânea. O BeWell tem também um programa com vários tratamentos. O Chocolate Selection inclui o circuito de hidroterapia, peeling corporal, envolvimento de chocolate e hidratação profunda.

Apesar de encerrar ao domingo, a doce proposta gastronómica vem do restaurante Pimenta & Chocolate, no Porto. Os pratos, com base na cozinha tradicional portuguesa, vêm para a mesa decorados graciosamente com traços leves de chocolate, assim como com apontamentos de pimenta rosa. O proprietário, José Andrade, destaca do menu os miminhos de porco preto com pimentos padrão e arroz de setas e o arroz de tamboril com gambas e ervas aromáticas, ambos com os toques de chocolate. À sobremesa, a doçura que faz jus ao nome da casa: o bolo de chocolate com pimenta rosa.

Se quiser aquecer-se e consolar a alma, desça a Avenida da Boavista até à Casa do Chocolate da Arcádia, onde pode saborear um dos muitos chocolates quentes – canecas grandes a 1,80 euros e as mais pequenas a 1,20 euros. Tem também uma grande variedade de sabores, incluindo ‘light’, para os que gostam de chocolate, mas estão atentos à dieta. Leve ainda consigo os famosos bombons e chocolates artesanais da Arcádia, contando com as clássicas línguas de gato, drageias e amêndoas. Tem também a opção de chocolates sem açúcar.

Se pretender enviar uma mensagem doce a alguém pode optar pela ChocoTelegram. Um telegrama feito a partir de pequenos chocolates, que pode encomendar através do site http://www.chocotelegram.com.pt (preços a partir de 8,65 euros). Em Vila Nova de Gaia, também encontra uma empresa inovadora com chocolates personalizados. A Chocolate Graphics permite a gravação de desenhos, fotografias e outras mensagens nos chocolates. Uma das suas inovações é também os convites para festas em chocolate, como por exemplo os convites de casamento. A visitar em: www.chocolategraphics.com.pt.

(25 de Janeiro de 2009)

Breyner 85: Novo projecto de artes nasce no Porto

b85

“Somos uma Academia de Artes, que tem um bar e concertos”, apressa-se a informar Rui Pina, um dos mentores do Breyner 85, projecto que criou juntamente com David Fialho. Ambos apostaram na ideia da Academia para criar “um espaço de tertúlia para músicos, com salas de ensaios”.

“Era uma ideia com oito anos e desenvolveu-se. Esta casa centenária, na rua do Breyner, foi o que sempre quisemos, tem quatro pisos e muito espaço”, explica Rui Pina, adiantando que ainda estão só abertos a amigos e “em fase de testes”.

O edifício do Breyner 85 alberga exposições das várias artes, mas o seu principal projecto é “a primeira Roland Academy em Portugal, com quem temos uma parceria para o ensino das artes. São cursos com uma metodologia muito própria”.

No âmbito do Breyner 85 estão incluídas salas de ensaio, estúdio de gravação, bar, cafetaria e, a concretizar mais tarde, uma loja de equipamento musical, livraria especializada, escola de teatro e dança. Futuramente, será criada a própria editora.

Quem for sócio: “Entra livremente (excepto em concertos muito caros) e tem descontos em tudo, desde aluguer de salas, cursos e todos os serviços da Academia”, assegura Rui Pina.

(22 de Janeiro de 2009)

Bem Estar: Sair para a aventura

rafting
O reinado do sofá está a chegar ao fim. Os dias com bom tempo são mais persistentes e incentivam às actividades ao ar livre. Andar de bicicleta, de barco ou canoa ou, se não gosta de grandes aventuras, pode simplesmente caminhar. Vale tudo, logo que seja fora de portas e ao ar livre.

É na Serra da Lousã que acontece a caminhada “Na Rota dos Veados”. Esta organização da Trans Serrano está marcada para o próximo sábado, dia 7. Paulo Silva – responsável da Trans Serrano – afirma que “a rota dos veados é um percurso espectacular na serra da Lousã. Tem um percurso acessível, onde se encontra facilmente a presença de veados e com sorte podemos mesmo vê-los. Levámos binóculos para vermos os animais ao longe”, adverte. O passeio é também de referência já que proporcina “um óptimo convívio com a natureza, com paisagens muito bonitas, com diversos cursos de água”. A TransSerrano dispõe também, para outras datas, caminhadas para conhecer os Penedos de Góis, canyoning ou mesmo a “Rota da Bosta” que passa por paisagens deslumbrantes em terrenos usados para pastos de gado.

A Oficina da Natureza propõe para dia 14, sábado, um passeio a cavalo por terras do Vez (Arcos de Valdevez). Outra proposta, envolve um fim-de-semana de passeio ao ar livre no Gerês. No dia 13 de Março, em “48 horas de bem-estar: uma viagem sensorial no coração do Gerês”, o programa envolve massagens, um passeio pedestre por trilhos na aldeia do Lindoso e aulas de Pilates ou Yoga.

Para o domingo, dia 8, a Trans Serrano sugere canoagem com “Descida do rio Alva”. “Agora as temperaturas estão mais convidativas e mesmo o caudal é mais agradável para esta actividade”, refere Paulo Silva.

Pelo Clube Trilho, Daniel Leal convida para a canoagem: ” é uma forma de estar em contacto com a natureza e de relaxar e descontrair”. Os passeios de canoa no rio Tejo podem ser realizados ao sábado e domingo. No Clube Trilho podem ainda ser marcadas outras actividades como rappel, slide, paintball, passeios pedestres, tiro com arco, zarabatana, orientação e BTT.

O Rafting Atlântico, como o nome indica, apresenta como principal actividade o rafting, mas também dispõe de outras como rappel, bridge jumping ou percursos pedestres. No próximo domingo, dia 8, o convite é feito para o rafting no rio Paiva. A próxima actividade está marcada para o dia 21 de Março e combina rafting no rio Minho e oferta de bridge jumping. O dia 22 de Março tem marcado o rafting no rio Paiva e oferta de um percurso pedestre. Nos programas de dois dias, como o de “Aventura no Paiva” inclui sempre rafting e depois outra das actividades à escolha como canoagem, trekking, tiro ao alvo, BTT, entre outras.

Ainda para estar ao ar livre, em Penela, decorre hoje o 3º Downhill Urbano. Pode participar ou só assistir. A prova vai ser disputada no centro histórico de Penela. A abertura do secretariado está marcado para as 9 horas e as provas de Downhill começam às 12 horas.

(1 de Março de 2009)

Bem Estar: Adeus ao stresse

Spa
É do Oriente que vêm as mais conhecidas terapias de relaxamento usadas hoje em dia. Com massagens, filosofias de vida e desportos terapêuticos, usufrua de ensinamentos milenares e ponha de lado o stresse do dia-a-dia.

“Uma massagem shiatsu relaxa os músculos, que libertam tensões e bloqueios acumulados ao longo do dia”, explica a terapeuta Sónia Peixoto. A especialista adianta que neste tipo de massagem “este relaxamento ajuda a ter uma melhor clareza mental. As pessoas dormem melhor, mais serenas e conseguem estar mais concentradas. Ajuda também a melhorar a circulação sanguínea e linfática, proporcionando um bem-estar em geral, no final da massagem”.

Em Espinho, o Hotel Solverde SPA & Welness Center (www.solverde.pt) sugere as massagens ayurvédica e tailandesa e convida: “Para quem procura o equilíbrio físico e mental e a harmonização da energia vital, encontra nestas duas terapias holísticas uma forma natural de atingir um bem-estar generalizado”.

Uma massagem de som com taças tibetanas é a proposta da Porto de Vista. O espaço “wellness” aconselha a terapia, referindo que as taças “apresentam a capacidade de produzir um som único e harmonioso, conseguindo vibrar cinco tons musicais em simultâneo, sendo assim um instrumento musical único no mundo. O relaxamento é uma das grandes aptidões desta terapia, uma experiência única”, salienta a Porto de Vista.

(15 de Março de 2009)

Como novo em 2ª mão

uza
São muitos os negócios que vingam em tempo de crise. As lojas de roupa em segunda mão, principalmente com roupa para criança, são um dos exemplos a apontar. Que o diga Márcia Pinto, da “UZA – Roupa de Criança Como Nova”.

Uma loja, na Senhora da Hora, que vende e compra vestuário, brinquedos e todos os outros objectos para crianças, incluindo roupa para grávidas. A única diferença é que tudo é em segunda mão.

“Muitos artigos estão por estrear, outros pouco foram usados”, diz Márcia Pinto que faz notar: “Há cada vez mais clientes que se queixam da crise”. Explica ainda a responsável da UZA: “O maior volume de negócio é feito com roupa. Há pessoas que vêm cá e levam muita roupa, com pouco dinheiro”.

Segundo Márcia Pinto, “para os artigos maiores vê-se que as pessoas andam a verificar preços e depois vêm aqui ver, como por exemplo os carrinhos de bebé”. “Quem vem, sabe o que quer e sabe que vai poupar muito”, garante.

Mãe de dois filhos, um de seis anos e outro de 18 meses, Márcia Pinto teve a ideia de ter este tipo de comércio quando ainda estava grávida: “Vi um artigo especializado sobre este tipo de negócio, que dizia que era uma área em expansão”. Além do facto de se vender peças em segunda mão, outra das diferenças deste negócio é o facto de “o cliente se tornar fornecedor, porque nos vende artigos que vamos vender aqui na loja”, explica Márcia, adiantando que “o conceito de venda em segunda mão é recente em Portugal, mas para os estrangeiros, pelo contrário, é algo muito normal”.

No mesmo segmento, encontra-se a KiD to KiD. Com várias lojas espalhadas pelo país, o grupo diz no site a razão de existir: “Porque os miúdos crescem mais depressa que o rendimento familiar”. A KiD to KiD incentiva os clientes a reverem os armários e a levarem para as lojas o que as crianças não usam. As peças podem render-lhe dinheiro (ao vendê-las à loja) e ao mesmo tempo ajudar a poupar a muita gente.

Mais informações em: http://www.uza.com.pt

(08 de Abril de 2009)